Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/228

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


chegasse ao balcão, e perguntasse se eram ou não as duas. Pergunta a mulher de cá:

— Ambas de duas?

— Sim, dá-lhe ambas de duas.

A mulher não sabia que eram as pás, e entregou-lhe as saccas do dinheiro.

O rapaz agarrou-as e foi-se por outro caminho, e encontrando um veado, matou-o e tirou-lhe as tripas, que metteu por dentro da camisa. Chegando perto de um homem que conhecia o patrão d'elle, começou a dizer:

— Deixa-me retalhar as tripas.

E pôz-se a cortar as que tinha do veado; o patrão quando chegou a casa e soube da ladroeira do criado, correu atraz d'elle, e encontrou no caminho o seu conhecido, a quem perguntou se tinha visto passar por ali o moço.

Elle respondeu:

— Vi, e elle fez uma cousa; tirou as tripas e cortou-as para correr mais depressa.

— Tambem eu vou fazer o mesmo para o apanhar.

E cortando as tripas caiu morto. O moço quando soube isto voltou para traz e foi ter com a patrôa, que estava viuva, e casou com ella.

(Ilha de S. Miguel — Açores.)




78. NASCER PARA SER RICO

Havia um sapateiro que trabalhava noite e dia, mas nunca passava da cêpa torta; um visinho muito rico ouvia-o cantar sempre esta cantiga:

Sou um pobre sapateiro,
Que estou sempre a dar, a dar,
Quem nasceu para ser pobre
Que lhe serve o trabalhar?