Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/268

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Vem em boa occasião,
Estamos fazendo uma apósta
Para ganhar um tostão.
— «Quem m'o dera pr'a tabaco,
E Deus sabe a precisão.
— É meu compadre metter
A cabeça n'este talhão.

E depois elle metteu a cabeça no talhão, e o amigo da mulher saiu para a rua. Agora vem o rapaz:

— Oh minha tia Guiomar,
Dê-me cá a minha panella
Mais o convite com ella.

Diz o marido:

— «Não me dirás tu, mulher,
Aquelle rapaz que quer?
— Por ir a uma braza de lume
Quer convite, e faz queixume.

Diz-lhe agora o rapaz:

— Bota lá pozes nos olhos
A esse pobre innocente,
Quem quizer alcoviteiros
Hade-lhe pagar adiente.

Agora a mulher disse ao marido:

«Toma lá este barretinho
Chega á porta, põe e tira
E dize esta cantiga:

É gosto meu,
E de minha mulher;
Hade entrar e sahir
Quantas vezes quizer.