Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/318

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
27
LITTERATURA DOS CONTOS POPULARES

nuel Bernardes]], vem o conto dos tres cegos, que conversam entre si, imitando um pouco o estylo popular. Nos prologos em verso das comedias de Simão Machado acham-se pequenos Contos tirados da tradição classica e erudita.

Apesar da profunda decadencia da Litteratura portugueza no seculo XVIII pela inintelligencia dos escriptores pelo elemento tradicional, os Contos de Trancoso continuaram a ser lidos com soffreguidão, e alguns poetas, como Filinto e Nicoláo Tolentino alludem ao grande interesse que ainda tinham os Contos populares. Na Comedia de cordel Incisão do Peraltice acham-se citados os Contos de Trancoso, e mesmo no Folheto de ambas Lisboas, n.º 25: «O dote d'ella consta de memorias, sem serem dos dedos, mas sim de Contos de Trancoso…» E Filinto Elysio, nas notas da sua traducção de Lafontaine, tambem repete: «Conta de in illo tempore: Como os Contos de Trancoso, do tempo de nossos avoengos.»[1] Este poeta ultra-classico, pela sua origem plebêa, conservava certas reminiscencias tradicionaes; assim allude a varios contos: «João Ratão e a Princesa Doninha… Sem contar outras personagens, que não é muito que me esqueçam (por mais doutrinaes que sejam) contos que ouvi contar ha mais de setenta e dois annos!»[2] «Contem-me Pelle de Asno… conto em França tão conhecido como entre nós o das Tres Cidras do Amor[3] Filinto, nas notas dispersas pelas suas Obras, á maneira de uns Tischreden, ou cavacos á mesa, faz allusões importantes á novellistica e litteratura popular: «Com o titulo da Gata Borralheira contava minha mãe a historia da Cendrilhon. E nunca minha mãe soube francez.»[4] A mãe

  1. Op. cit., p. 444.
  2. Ibid., p. 516.
  3. Obras, p. 324.
  4. Ibid., t. III, p. 60. Por este texto se vê a verdade da nossa interpretação do texto de Jorge Ferreira.