Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/324

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


em a garganta e matouo. E dom Diego quando esto vyo teveo por millagre e synousse e disse — Santa Maria vall, quem viu nunca tall cousa! E ssa molher quando o vyo assy sinar lamçou maão na filha e no filho, e dom Diego Lopez travou do filho e nom lho quiz leixar filhar: e ella rrecudio com a filha por huuma freesta do paaço e foysse pera as montanhas em guisa que a nom virom mais nem a filha.

Depois a cabo de tempo foy este dom Diego Lopez a fazer mall aos mouros, e premderomno e levaromno pera Tolledo preso. E a seu filho Enheguez Guerra pesava muito de ssa prisom, e veo a fallar com os da terra per que maneyra o poderiam aver fóra da prisom. E elles disseram que nom sabiam maneyra porque o podessem aver, salvando sse fosse aas montanhas e achasse ssa madre, e que ella lhe daria como o tirasse. E ell foy alaá soo, em çima de seu cavallo, e achoua em çima de uma peña: e ella lhe disse: «Filho Enheguez Guerra, vem a mym ca bem sey eu ao que veens. E ell foy pera ella e ella lhe disse: «Veens a preguntar como tirarás teu padre de prisom.»

Entom chamou hum cavallo que andava solto pello monte que avia nome Pardallo e chamouo per seu nome: e ella meteo hum freo ao cavallo que tiinha, e disse-lhe que nom fezesse força pollo dessellar, nem pollo desenfrear nem por lhe dar de comer nem de bever nem de ferrar: e disselhe que este cavallo lhe duraria em toda sa vida, e que nunca entraria em lide que nom vemçesse delle. E disselhe que cavalgasse com elle e que o poria em Tolledo ante a porta hu jazia seu padre logo em esse dia, e que ante a porta hu o cavallo o posesse que alli deçesse e que acharia seu padre estar em hum corral e que o filhasse pella maão e fezesse que queria fallar com elle, que o fosse tirando contra a porta hu estava o cavallo e que desque alli fosse que cavalgasse em o cavallo