Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/346

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


tra vez mas elle fingeose doente. Entom o bispo lhe mandou que veesse per obediencia, e elle veo contra sua vontade. E o bispo lhe perguntou:

— Dy-me que homem es tu?

E elle respondeu:

— Soo diaboo.

E disselhe o bispo:

— A que veeste?

E elle respondeu:

— Viim pera matar este escudeyro, porque he maao homem e desviado da bondade de seu padre, e nom curou dos conselhos boos que elle deu.

E disselhe o bispo:

— Pois porque o nom mataste?

Respondeu o diaboo:

— Porque avia em custume de dizer cada dia sete vezes avemaria, e porem andava eu com elle pelos montes e pelos luguares fragosos pera o matar se algum dia leixara de dizer aquellas sete avemarias, mas nunca foy dia que as nom dissesse.

E o bispo lhe perguntou donde houvera o corpo que trazia, e elle lhe disse que era o corpo de huum enforcado. Entom o bispo mandou-lhe que se fosse dally e que nom empeeçesse a nenhuum. E logo se partyo d'aly e ficou aly o corpo que trazia morto e fedorento. Quando esto vio o escudeyro mudou sua vida em bem segundo lhe conselhou o bispo.

(Fl. 124.)




146. AS MAAS ARTES DAS MOLHERES

Huum mancebo trabalhava muyto por saber a arte das molheres. E posse en sua vontade de casar, e ante que casasse demandou conselho ao mais sabedor ho-