Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/349

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


quello- que fezera, quando foy aa tarde mandou elrrey tanger aquella tromba ante a porta de seu Irmaão. E elle quando ouvyo tanger a tromba ficou desasperado da sua vida, e nunca pode dormir toda aquella nocte. E fez seu testamento. E em outro dia pella manhaã vestiuse de vestiduras negras e com sua molher e com seus filhos foysse aa porta do paaço delrrey chorando. E elRey fezeo viir ante sy e disselhe:

— Oo sandeu, se tu ouveste temor do teu Irmaão, que sabes que nom lhe arraste, como nom averey eu temor dos pregones do meu senhor deus, ao qual muyto pequey e errey, os quaes me significam a morte com mais nobre tromba e me demostrom a viinda espantosa do Juizo.

E depois desto mandou fazer quatro arcas e duas dellas mandou fazer douradas de fora e mandouas encher de ossos de mortos podres e fedorentos. E outras duas mandou huntar de fora de pez e mandou-as dentro encher de pedras preciosas. E mandou chamar aquelles cavalleyros que aviam dito a seu Irmaão aquello que elle fezera. E mandou poer ante elles aquellas arcas, e preguntoulhes quaes dellas eram de mayor preço. E elles disserom que as duas que eram douradas eram milhores e de mayor valor. E elRey mandouas abrir. E sayo dellas muy maao fedor, e disse elrrey:

— Semelhantes som estas arcas aaquelles que som vestidos em nobres vestiduras. E dentro em suas almas som cheos de pecados. Assy como estas duas arquas que som fremosas e douradas de fora e som cheas de dentro dos ossos fedorentos.

Entom mandou abrir as outras duas arquaas huntadas de pez e parecerom as pedras preciosas e saia de dentro muy boo odor. E disse elrrey:

— Estes som semelhantes aaquelles pobres servos de deus que eu honrrey, que como quer que andam vistidos de viis vistiduras pero dentro en a suas almas resplandecem com odor de virtude; mas nom parades mentes