Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/352

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


150. A BILHA DE AZEITE


PAIO VAZ: Pois Deus quer que pague e peite,
Tão daninha pegureira,
Em pago d’esta canceira
Toma este pote de azeite,
E vae-o vender á feira;
E quiçaes, medrarás tu,
O que eu comtigo não posso.
MOFINA MENDES: Vou-me á feira de Trancoso
Logo; nome de Jesu,
E farei dinheiro grosso;
Do que este azeite render
Comprarei ovos de pata,
Que é a cousa mais barata,
Que eu de lá posso trazer.
E estes ovos chocarão;
Cada ovo dará um pato,
E cada pato um tostão,
Que passará de um milhão
E meio, a vender barato.
Casarei rica e honrada,
Por este ovo de pata,
E o dia que fôr casada
Sahirei ataviada
Com um brial de escarlata;
E diante o desposado
Que me estará namorando,
Virei de dentro bailando
Assi d’esta arte bailado
Esta cantiga cantando.


(Estas cousas diz Mofina Mendes com o pote de azeite á

cabeça, e andando enlevada no bailo, cae-lhe, e diz:)