Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/438

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Luz-Vella ateimava muito e poz uma demanda com o Senhor. O Senhor apresentou a Lua, a Agua e o Sol como testemunhas de que tinha emprestado e não dado a cadeira. A Lua e a Agua juraram falso; o Sol jurou a verdade, dizendo ao Senhor:

— O que é dado é dado; o que é vendido é vendido; o que é emprestado é emprestado. Portanto a cadeira é vossa.

Deus então castigou a Lua (que era tão linda como o Sol) tirando-lhe os raios para os dar ao Sol; castigou a Agua, obrigando-a a correr sempre, sem nunca estar queda.

(Famalicão.)


189. LENDA DO MILHO E DO CENTEIO

Quando se acaba de gastar o milho começa a colheita do centeio barroso, que se semeia em fevereiro e só se malha em julho. De uma vez o milho disse-lhe, chasqueando-o d’esta sua demora:

— Gandarella, gandarella,

Que andas seis mezes na terra.

Respondeu-lhe o centeio:

«Cala-te lá meu reboludo,

Quando te acabas sou eu que acudo.

(Airão.)
Variante:

Disse. o Trigo para o Centeio:

Cala-te lá, Centeio, centeiaço;

Que tu não fazes as funcções que eu faço.