Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/509

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


pagar na taverna, propõe varios jogos, que são successivamente regeitados, e por fim propõe darem uma carreira, o que lhe serve de pretexto para se escapulir. No seculo XVIII este conto teve tambem uma nova fórma dramatica na comedia de cordel O gallego lorpa ou os Tolineiros. Vid. Historia do theatro portuguez, t. III.


108. O caso do tio Jorge. — Recebemos esta facecia colligida na Ilha de S. Miguel pelo nosso eminente zoologista Francisco de Arruda Furtado. Conheciamol-a em prosa. Existe um pequeno fabliau sobre esta aventura, na litteratura franceza da Edade media.


109. Os dois irmãos e a mulher morta. — Acha-se publicado no Elvense, n.os 202, 205 e 206, III anno, com uma redacção litteraria que prejudica o seu valor tradicional. Pertence ao cyclo do Frade morto, aqui substituido por uma cunhada, o que é uma circumstancia accidental. Ha cinco versões portuguezas do Frade morto; na tradição peninsular acha-se no Patrañuelo de Timoneda, n.º III; no Fabliau du Prêtre qu'on porte (Hist. litteraire de la France, t. XXIII, p. 141); na antiga tradição italiana: Cinquante Novelle de Masuccio, n.º 1; e modernamente acha-se colligido por Pittré, nos Fiabe e Racconti, n.º 165: Fra Ghinipera. Na collecção dos Contos russos, de Erlenwein, n.º 17, acha-se a tradição do frade morto. (Gubernatis, Myth. zoologique, t. II, p. 214.)


111. Para quem canta o cuco? — Acha-se esta facecia na collecção quinhentista de Timoneda, Sobremesa y Alivio de caminantes, conto 57. (Ed. Ribadaneyra, p. 181.)


112. Tudo andaremos. — É hoje uma locução portugueza, sendo o conto menos vulgar. Na collecção de Timoneda, Alivio de Caminantes, n.º 33, vem uma versão d'esta facecia. (Ed. Ribadaneyra, p. 179.)