Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/527

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Melusine, de Gaidoz e Rolland, p. 403-6, n.º 5; nos Norddeutsche Sagen, de Kuhn e Schwartz, n.º 55; nas Seize Superstitions populaires de la Gascogne, de Bladé, n.º 4, p. 10. Na tradição popular açoriana é um pescador que anda de noite ás lapas, que é arrebatado para a lua. A lenda deriva-se da crença gauleza e scythica da transmigração das almas para a lua. (Vid. Belloguet, Ethnogénie gauloise, t. III, p. 184.) A ideia de castigo affrontoso é uma reacção contra o antigo respeito da crença religiosa.


192. Outra. — Consiglieri Pedroso, nos seus Estudos sobre Tradições populares portuguezas, colligiu esta lenda como superstição sob o n.º 578: «O sol passou pela lua e atirou-lhe com uma mão cheia de terra; por isso ella ficou escura e com manchas.»


197 e 198. — Na Revista de Ethnologia e Glottologia, vem paradigmas hespanhoes, e é conhecida na França meridional, na Suissa, Inglaterra, Escossia, Italia e Sicilia; vid. p. 103 a 108. Saco Arce traz na sua Grammatica gallega este ditado:

Febreiriño corto
Cós teus dias vinteoito,
Si durarás mais quatro
Non paraba can nin gato.


208. — Na tradição popular hespanhola de Guadalcanal e Sevilha tambem se encontra esta lenda em que figura Sam Pedro, que mette o dinheiro em certo logar do Perro de las especias. (Ap. Rodriguez Marin, Cantos populares españoles, t. IV, p. 382.)


209. Lenda do sapo e da toupeira. — Vem como fórma de superstição nas Tradições populares portuguezas, de. Cons. Pedroso, n.º 577.