Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/293

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
268
AN


Maximas e pensamentos praticados por Antonio Moniz de Souza, o homem da natureeza, pelos sertões do Brazil desde 1812 até 1840, publicados por um seu amigo. Nitheroy, 1845.

Descobertas curiosas que nos reinos vegetal, animal e mineral por sitios e sertões varios das brazilicas provincias da Bahia, Sergipe e Alagoas fez o capitão Antonio Moniz de Souza e Oliveira — O manuscripto desta obra, datado da Bahia, 1824, foi offerecido ao instituto historico e geographico brazileiro em 1846 pelo coronel Ignacio Accioli de Cerqueira e Silva, Acredito que este capitão Souza e Oliveira não seja outro, senão o mesmo Antonio Moniz de Souza, o homem da natureza. A época em que viveu, os logares que percorreu, tudo o faz crer.


Antonio Muniz Sodré de Aragão — Filho do commendador Autor:Antonio Ferrão Muniz, de quem já me occupei, e de dona Maria Adelaide Sodré Muniz, nasceu na Bahia pelo anno de 1840 e falleceu a 15 de janeiro de 1881. Formado em sciencias sociaes e juridicas pela faculdade do Recife, entrou para a classe da magistratura, e exercia, depois de ter servido outros logares, o cargo de juiz de direito da comarca do Conde. Escreveu:

Memoria sobre a bibliotheca publicada cidade da Bahia. O. D. C. a seu pai o commendador Antonio Ferrão Muniz de Aragão. Bahia, 1878, 52 pags. in 8º — Anda annexa ao 1º volume do « Catalogo geral das obras de sciencias e lettras, que contém a mesma bibliotheca » publicado neste mesmo anno, seguindo á esta memoria o discurso recitado na sessão de abertura da dita bibliotheca a 4 de agosto de 1811 por Pedro Gomes Ferrão Castello Branco, o qual sahira no Investigador portuguez de março de 1812.


Antonio de Moraes e Silva — Natural do Rio de Janeiro, nasceu em 1757, e falleceu em Pernambuco a 11 de abril de 1824. Tendo feito o curso de direito na universidade de Coimbra, e recebido o grau de bacharel, diz Innocencio da Silva - se dispunha a entrar para o serviço da magistratura, quando em virtude de uma accusação contra elle levada ao tribunal da inquisição foi obrigado a fugir para a França, d’onde passou á Inglaterra.

O autor do Diccionario biographico portuguez, porém, se engana, asseverando que Moraes recebera o grau de bacharel em leis. No anno em que devia tomar o grau, e pouco antes do acto, tendo noticia que o santo officio o mandara prender - e o padre Antonio Pereira da Silva Caldas, tambem estudante, e já conhecido por suas virtudes, assim como por sua bella intelligencia (e esse é que foi o crime de ambos), o qual gemeu dous annos nos santos carceres - fugiu o lexicographo brazileiro para Inglaterra sem ter podido receber o grau, e foi então, na Inglaterra, que elle compoz seu excellente diccionario da lingua portugueza, Passou d’ahi a servir na legação de Paris; depois, indo a Lisboa, casou-se com a filha