Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/302

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
277
AN


de Victor Hugo. Nestes folhetins o substituira na molestia o doutor Torres Bandeira (veja-se Antonio Rangel Torres Bandeira), usando a principio do mesmo pseudonymo. O primeiro escripto com este titulo sahiu a 24 de setembro daquelle anno, e o ultimo, da redacção de Figueiredo, a 15 de novembro de 1858. Francisco Augusto Pereira da Costa no seu «Diccionario biographico dos pernambucanos celebres» cita tres delles,já mencionados n'uma publicação que relativamente á Carteira sahira no Progressista de 6 de maio de 1863. São elles:

Uma vingança de nova especie, motivada por uma mulher — conto phantastico cheio de incidentes chistosos, pedaços descriptivos de um poetar natural e gracioso, ancias de mortal desasocego, um escripto emfim que refocilla o espirito e faz rir e chorar ao mesmo tempo, segundo se exprime o critico. E' a carteira de 6 de agosto de 1858.

O passado e o presente — apreciavel escripto de estylo mimoso e natural. Idem de 15 de agosto àe 1858.

A natureza e a sociedade relativamente á igualdade — que não só merece a attenção como pagina lucida, scientifica e litteraria, mas tambem como pagina formoza da mais sã e cosmopolita philosophia.

No Diario de Pernambuco, de cuja redacção Figueiredo fizera parte, escreveu elle, além da Carteira que por si só encheria alguns volumes, muitos contos, lendas e tradições, revistas de theatro, sciencias e artes, e correspondencias traduzidas do francez e do inglez do Annuario dos dous mundos, da Revista de Paris, da Revista dos dous mundos e de outras publicações europeas. Foi notoria uma questão politico—philosophica que Figueiredo sustentara em 1852 com o conselheiro Pedro Autran da Matta Albuquerque sobre o socialismo. Seus eseriptos sahiram no Diario de Pernambuco e na Imprensa, e os de seu contendor na União. Redigiu antes disto

O Progresso: revista social, litteraria e scientifica. Pernambuco, 1846 a 1848,3 vols. — sendo o ultimo incompleto.


Antonio Pedro dos Reis — Natural de Minas Geraes e fallecido no Rio de Janeiro a 29 de agosto de 1878, era presbytero do habito de S. Pedro, monsenhor da capella imperial, do conselho de sua magestade o Imperador e commendador da ordem de Christo. Dirigiu por muitos annos um collegio de educação para o sexo masculino, o atheneu fluminense, e escreveu:

Catechismo da doutrina christà, approvado para uso da associação catholica. Rio de Janeiro...


Antonio Pepes Barreto de Vasconcellos — Natural de Pemambuco, e formado em sciencias sociaes e juridicas pela: faculdade desta provincia em 1880, foi no mesmo anno, a 20 de dezembro, nomeado promotor de Cimbres, na dita provincia, e por occasião da morte do erudito professor, doutor Aprigio Guimarães, sendo nomeado orador do quinto anno juridico, escreveu: