Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/324

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
299
AN


Fructos sem flôres: poesias — Idem. E' uma coUecção de poesias, sendo algumas já publicadas emjornaes e revistas.

Sonetos e poesias satyricas — E' uma collecção de versos feitos a um diplomata.

Livro d'alma: collecção de poesias eroticas, escriptas no album de sua espoza — Como diz o doutor Henrique Capitolino, são flores singelas e mimosas, colhidas no jardim d'alma; são harmonias eolicas, vibradas por um coração amorozo, por um peito apaixonado; são idylios ternos, canções celestes, harpejos doces, arrulos saudozos, desprendidos do intimo d'alma pelas emanações viyas e impetuosas do amor. Antes de seu casamento, sendo elle ainda estndante, dedicara á que foi sua espoza um poema, ao qual precedem os seguintes versos:

Amor, querido amor, paixão sublime,
Fertil de graças, candido, singelo,
Vai no teu pelto, carinhosa amante,
Esmaltar uma flor, um lirio bello:
Ah! não me culpes o querer louvar-te;
Si é fraca a voz da mal soante lyra,
Suave agitação minha alma enleva,
Possam meus lirios, minhas bellas rosas
Beijar-te as faces languidas, formosas.

Além de ter collaborado para innumeros jornaes e revistas, Torres Bandeira redigiu a

Aurora Pernambucana. Recife, 1859 — E' uma revista em que se encontram excellentes escriptos de politica doutrinaria, de critica e litteratura.

Opinião nacional. Politica liberal. Redactores Aprigio Justiniano da Silva Guimarães, Antonio Rangel Torres Bandeira e João Coimbra. Recife, 1867 a 1870.


Antonio do Rego — Filho do antigo cirurgião do exercito portuguez Antonio do Rego, que se estabelecera no Maranhão, para onde fóra nomeado physico-mór em 1819, nasceu na capital desta provincia a 14 de agosto de 1820.

Seguindo a profissão de seu pae, bacharelou-se em medicina na uuiversidad de Coimbra, e deu-se ao exercicio clinico em sua provincia, sendo o primeiro que abraçou ahi o systema ele Hahnemann, quando foi elle divulgado no imperio ; foi por diversas vezes deputado á assembléa provincial, vereador da camara municipal de S. Luiz, e um dos fundadores do instituto litterario maranhense, Encommodos graves, porém, de sua saude o decidiram a retirar-se para Lisboa em 1869, e ahi fixou sua residencia com sua familia por muitos annos. Escreveu:

Almanak popular, mercantil, industrial e scientifico do Maranhão para o anno de 1848. Maranhão, 1847, 220 pags., in-8° — E' o primeiro almanak do Maranhão.

Almanak do Maranhão para 1849 (2º anno). Maranhão, 1848, 206