Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/333

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
308
AN


mesma cidade aos 9 de novembro de 1823. Rio de Janeiro, 1823, 15 pags. in-4.º — E' offerecido este sermão ao intendente geral da policia, desembargador Estevão Ribeiro de Rezende, depois Marquez de Valença, sendo a festividade promovida por parentes e amigos dos comprehendidos na devassa sobre os acontecimentos de 23 de maio de 1822 em S. Paulo, a qual fora suspensa com a retirada do ministerio de 16 de julho deste anno, por ordem do ministerio que o succedeu.


Frei Antonio de Santa Mafalda — Chamado no seculo Antonio José Ferreira, filho de Manoel José Ferreira e de dona Filippa Maria de Jesus, nasceu em S. Paulo pouco antes do anno de 1780, e falleceu na côrte a 14 de dezembro de 1837.

Professou na ordem dos franciscano, na côrte, em, 1797; foi presidente do convento de Santos, e do de Taubaté, guardião deste, definidor, vigario provincial, secretario da provincia, ministro provincial e prégador, e escreveu:

Resposta do provincial dos franciscanos do Rio de Janeiro sobre as questões, de que trata a memoria, que com a portaria do governo lhe foi dirigida para dar o seu parecer. Rio de Janeiro, 1837, 16 pags. in-8° — A bibliotheca nacional possue esta obra; procurei-a para ver sobre que versa a memoria em questão, mas não pude vel-a.


Frei Antonio de Santa Maria — Nasceu na cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro no anno de 1700 e falleceu em 1750.

Foi religioso da ordem dos franciscanos, professo no convento da Immaculada Conceição do Rio de Janeiro a 23 de julho de 1714, e formado em canones na universidade de Coimbra. Leccionou duraute alguns annos com muito applauso philosophia e theologia no convento da Bahia; foi orador sagrado de muita nomeada e, como diziam frei Francisco de S. Carlos e frei Francisco de Santa Thereza de Jesus Sampaio, o astro mais brilhante do orbe seraphico brazileiro, e escreveu :

Sermonario de varias festividades solemnes do Rio de Janeiro — Ia publicar uma collecção de seus sermões com este titulo, quando a morte o sorprendeu. Não sei que destino teve este livro. Barboza Machado dá delle noticia em sua importantissima Bibliotheca luzitana, assim como frei Apollinario da Conceição na sua obra « Primazia seraphica na região da America ou novo descobrimento de santos e veneraveis religiosos, que ennobrecem o novo mundo com suas virtudes e acções » capitulo 9°, pago 92. Em sua vida só sai que frei Antonio de Santa Maria publicasse o

Sermão do beato S. Gonçalo Garcia. Lisboa, 1749.

O bibliographo, de quem fallei, Barboza Machado, faz menção em sua obra citada de nada menos de cinco frades com o mesmo nome de frei Antonio de Santa Maria, além deste de quem trato, todos naturaes de Portugal e de seus dominios na Asia.