Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/363

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
338
AR


Frei Arsenio da Natividade Moura — Natural da provincia de Minas Geraes e irmão do padre Antonio Maria de Moura, de quem já fiz memoria, nasceu em Sabará a 24 de maio de 1794 e falleceu na Bahia a 21 de maio de 1861.

Monge benedictino, professo no mosteiro da Bahia, foi um dos ornamentos de sua ordem, tanto por sua grande illustração, como por suas raras virtudes. Foi por diversas vezes prior na ordem, mestre de diversas doutrinas e o mais incansavel educador dos religiosos admittidos de 1837 em diante; foi quem realizou no mosteiro da Bahia a creação das primeiras aulas, de portuguez, latim, francez e philosphia, regidas por monges benedictinos; e fóra da ordem exerceu o cargo de lente de historia ecclesiastica no seminario archiepiscopal e o de director do pequeno seminario ou collegio de S. Vicente de Paula, a instancias do arcebispo dom Romualdo, seu amigo, no qual prestou por muitos annos relevantes serviços. Depois disto entregou-se ao mais completo retiro no seu mosteiro, a mortificações e penitencias, e assim viveu alguns annos, morrendo como um justo. Era socio do instituto historico e geographico brazileiro; grande prégador, e escreveu sermões com que poderia encher alguns volumes, porque muitas vezes prégava quaresmas inteiras. Entretanto só foi publicada a

Oração funebre recitada na matriz de S. Pedro da Bahia por occasião das solemnes exequias do excellentissimo e reverendissimo senhor dom Romualdo Antonio de Seixas, arcebispo, metropolitano e primaz do Brazil. Bahia, 1861 — Foi seu ultimo sermão; porque sahiu do pulpito para se unir na vida eterna ao venerando arcebispo, unica pessoa capaz de arrancal-o de seu retiro. Existe ainda de sua penna:

Manifestação ao respeitavel publico pelos monges benedictinos. Rio de Janeiro, 1833, 48 pags. in-4° — Consta-me que é tambem deste autor a

Memoria documentada, offerecida á nação brazileira, seus augustos representantes e imperial governo por um brazileiro, amigo de sua patria, sobre os melhoramentos ou reformas das ordens regulares, e em particular da dos benedictinos no Brazil, etc. Rio de Janeiro, 1834, in-4.°


Arthur de Azevedo — Filho do consul portuguez no Maranhão David Gonçalves de Azevedo, nasceu nesta provincia a 7 de julho de 1855.

Depois de servir como caixeiro n'uma casa commercial de S. Luiz, entrou para o funccionalismo publico, como amanuense da secretaria da presidencia; sendo porém exonerado em 1875 de seu emprego, veiu para o Rio de Janeiro e aqui foi provido n'um logar de amanuense da secretaria da agricultura, commercio e obras publicas, onde é actualmente segundo official. Dá-se com fervor ao cultivo da litteratura, sobretudo da dramatica, e tem escripto e traduzido grande numero de obras neste genero. Posso dar noticia das seguintes obrai suas: