Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/42

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Relatorio da enfermaria de Santa Rita, creada pelo governo imperial para o tratamento dos doentes de febre amarella — Vem no volume que tem par titulo: Relatorios das cinco enfermarias creadas pelo governo imperial, a cargo do hospital da santa casa da misericordia, para tratamento dos doentes de febre amarella. Rio de Janeiro, 1876.

Questão medico-legal (Braga): resposta dos doutores Souza Lima e Feijó, filho. Rio de Janeiro, 1879 — Contém o opusculo sob este titulo: uma consulta do doutor José Pedro de Souza Braga, lente substituto da faculdade da Bahia, aos dons lentes da faculdade da côrte sobre a supposição de defloramento de sua noiva, antes do casamento, a qual já havia sido examinada por duas notabilidades medicas e tambem lentes da faculdade da Bahia, cada um por sua vez, e depois pelos ditos professores, e mais tres facultativos dos mais distinctos, considerando todos o defloramento recente; a resposta dos doutores Souza Lima e Feijó, filho, se afastando da opinião de seus collegas daquella previncia; um artigo (de paginas 17 a 41) assignado por aquelles, isto é, o Barão de Itapoã, doutor José Francisco da Silva Lima, doutor Francisco José Teixeira, doutor Domingos Carlos da Silva e doutor Antonio Pacifico Pereira, contestando o parecer dos collegas da côrte, e transcripto da Gazeta de Noticias, da Bahia; finalmente a resposta a este artigo pelos dous medicos consultados.

A opinião publica e toda a imprensa bahiana considerou falsa a accusação feita pelo doutor Braga, que se casára, só levado por uma especulação mallograda em vista das circunstancias que precederam a entrega da moça a seu pae.

Ha em revistas medicas alguns escriptos do doutor Souza Lima, como

Cremação dos cadaveres — Vem em diversos numeros da Gazeta medica brazileira. Rio de Janeiro, 1882.


Agostinho Marques de Gouvêa — Nascido entre os ultimos annos do seculo 18° e os primeiros do seculo actual, falleceu no Rio de Janeiro em 1853 ou 1854.

Era presbitero secular do habito de S. Pedro, monsenhor da capella imperial, do conselho de sua magestade o Imperador e exerceu muito tempo o magisterio, como professor publico de latim na côrte.

Escreveu:

Novo cathecismo geographico brazileiro, offerecido aos senhores paes de família, e professores de ambos os sexos. Rio de Janeiro, 1832.


Agostinho Marques Perdigão Malheiros, 1º — Nasceu em Vianna do Minho, Portugal, sendo seus paes o capitão Agostinho Marques Perdigão Malheiros e dona Anna Joaquina Rosa Malheiros, a 29 de agosto de 1788, e falleceu no Rio de Janeiro a 19 de agosto de 1860 com 72 annos de idade.

Formado em leis na universidade de Coimbra em 1812, entrou para a magistratura, sendo logo despachado para o logar de juiz de fóra de