Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/136

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


700 BOM JOAO VI NO BRAZIL

nete a confiar-se inteiramente nos conselhos do Gabinete bri- tannico, ao qual pela sua posigao so convinha exercer huma influencia directa sobre a Hespanha". (i)

Apezar da renuncia do Imperador Alexandra a diri- gir o gabinete de Madrid, nao se podia por certo esperar que as potencias alliadas se transformariam de medianeiras em arbitras, recorrendo a intervengao e empregando os meios da forga ou da comminagao afim de obrigarem a Hespanha a acceitar o projecto por ellas elaborado. Resultava, porem, para qualquer que acompanhasse a partida, como o mais claro da situaqao, que Portugal ficara so em campo contra a Hespanha, livre do Perigo de que os mediadores nos amea- gavao no principio da negociagao", e nada tinha mais a re- ceiar, de grave pelo menos, contando na Europa com a garantia da Gra Bretanha, e na America com as vantagens da posigao adquirida e superioridade local dos seus recursos.

Deviam ter sido estas derradeiras consideragoes as que principalmente determinaram a corte do Rio de Janeiro a recusar referendar a acceitacao por Palmella e Marialva do projecto de accordo. Nao era comtudo unanime, nem talvez geral no Brazil, a persuasao de que o novo Reino consegui- ria afinal ficar na posse definitiva da sua almejada e natural fronteira meridional. O parecer do conde dos Arcos, ja membro do gabinete e muito experiente-em assumptos brazi- leiros pela sua longa estada em postos de alta administracao da colonia, opinava, por exemplo, apezar da occupaqao da Banda Oriental, pela fronteira do Jaguarao ao Ibicuhy, ga- nha em 1801, por occasiao do conflicto luzo-hespanhol.

��(1) Officio de Palmplla e do Merquez Estribeiro-mor, datado (It- I .i iixfllas :ios 21 dc Xuvi iubro dc ISIS, no imico cit., ibidem.

�� �