Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/199

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI^NO BRAZIL 763

nada de regresso com os mesmos riscos, ao ponto de nin- guem mais se abalangar a semelhante commettimento, bapti-

zado solemnemente de abertura da navegagao para Mfnas Geraes.

Civilizar duzentos Puris em linguagem official, equiva- lia, na cha linguagem de Eschwege, a attrahir duzentos in- dios fora das suas mattas e distribuil-os como gado pelos que careciam de escravos: ao cabo de um anno, a maioria tinha morrido de maus tratos. Tollenare igualmente falla de indigenas sujeitos por abuso a servidao, observando com grac,a que os suppunham mulatos e em todo caso se achavam tao distantes de qualquer auctoridade que nao saberiam fazer valer seus direitos legaes.

Tanto se nao illudiam no emtanto o monarcha e seu-r. conselheiros sobre o alcance de muitas das reformas, as quaes nao faltava boa intenc.ao, apenas possibilidade, nas condigoes existentes, que tendo Eschwege escripto um relatorio sobre a navegagao do Rio Doce, em que desmentia a versao optimista, recebeu do ministro, a quern o governador mandara aviso, uma carta autographa dispensando-o de remetter-lhe o seu in- teressante informe, porquanto ja tivera pelo governador co- nhecimento do conteudo d elle. A actividade do circulo su perior da administracao encontrava para concretizar-se ob- staculos insuperaveis nas circumstancias naturaes do paiz, enorme, despovoado e hostil, na indolencia da pouca gente e nao menos na instabilidade do pessoal dos cargos. Pondera por isso judiciosamente o historiador Handelmann que, com- quanto se lograsse insufflar na costa uma vida mais desafo- gada gragas ao trafico universal, a situagao tradicional do interior permanecera sem a menor alteragao.

�� �