Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/224

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


788 DOM JOlO VI NO BRAZIL

ragoes de pao em especie e de Ihes abonar 16 soldos por cada sacco de mandioca, cujo prego no mercado era de 50 sol dos". (i)

A razao da escassez de comestiveis de primefra neces- sidade e que Maler falsamente attribuia a improductividade do terreno dk costa e mattas para essa cultura. Luccock acertadamente a fornece ao fallar tam bem na carestia dos mantimentos, da farinha nomeadamente, porque pagando o algodao melhor, ma provincia se nao cultivavam bastante generos alimenticlos, como mandioca e feijao. Por outro lado a capital consumia abundantes provisoes de bocca, pro- vocando sua importacao, e a guerra do Sul com sens repe- tidos fornecimentos estava fazendo encarecer todos os gene ros. Para cumulo a estacao de 1816 fora muito secca no Norte, portanto esoassas as safras.

D estas circumstancias combinadas derivou-se n este ponto o soffrimento do povo pernambucano, qu ando os plan- tadores e commissaries andavam em mare de fortuna com o augmento, que chegou a 500 por cento, do preco do algo dao por motivo da guerra recente, de 1812 e 1813, dos Estados Unidos contra a Inglaterra, da extinccao em 1815 do bloqueio continental e da perspectiva de mais largas exportacoes de tecidos da Inglaterra para os velhos merca- dos europeus e os novos mercados latinos do Novo Mundo, tornado-se indispensavel a materia prima, para cujo suppri- mento nao chegava a pro ducgao norte-americana.

Mais facil tarefa cabia a Palmella ao affirmar nos seus communicados ser a exhorbitancia das taxas uma com-

��(1) Traduceao na Revista do Institute Archeologico de Per- nambuco dos Officios do Maler sobre a revolugao de 1817, fornecidos em copia franceza por Olivcira Lima.

�� �