Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/262

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


826 DOM JOAO VI NO BRAZIL

Sua entrada fora triumphal, por entre as acclamagoes do povo e as bengaos dos mercadores assomados as janellas adornadas de alcatifas e colchas, de onde as senhoras sa- cudiam flores sobre os esbeltos restauradores da Lei, a cujo som longinquo de guerra se esvaira de terror a segunda era da liberdade pernambucana - - como a contava o mal- dito governo provisorio, ingenuamente classificando como a primeira a do dominio hollandez. Combates, Ihes nao proporcionara o fado na provincia que tivera a ousadia de pensar e a loucura de tentar a sua independencia democra- tica: a tarefa estava mesmo abaixo de tao nobres e experi- mentados guerreiros, e melhor fora que a tivessem executado os da terra, os Brazileiros bisonhos.

Ficara- lhes o presenciarem as executes, suavisando-as com zombarias aos patriotas, escutadas pelas damas temero- sas, algumas d ellas muito vexadas com o sou cabello cortado a Tito, para condescenderem com Domingos Martins que reclamara e cuja esposa dera o exemplo d esse sacrificio da vaidade a austeridade republicana. Como entremez, as sur ras nos negros alforriados pela revoluqao, antes de restitui- dos aos senhores. Dos a^oites publicos quizera ate, no paro- xisrno da prepotencia, Rodrigo Lobo fazer passivel um capi- (ao americano que conseguira escarnecer do bloqueio. Os pro cesses de castigo eram todos summarios, mas exhaustivos.

Por fim foi a justiga militar suspensa por ordem do Rio e instituida uma algada composta de quatro velhos ma- gistiados do Desembargo do Pago e da Casa da Supplicagao, que com sua meticulosidade Jrritante e legal impassibilidade rematou a obra dos carrascos e carcereiros que em Pernam- buco e na Bahia tinham ceifado vidas honradas ou estavam

�� �