Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/287

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 851

navio inglez pelo que se espera de Pernambuco; mas e um bom homem. Sabeis que a revolta dos meus subditos me causou grande pezar ?

Eu- -Acredito, Senhor. E mister, porem, esperar que breve estara apaziguada a rebelliao, comtanto que Vossa Ma gestade ao lado do gladio da justica haja por bem empregar a clemencia que o caracteriza.

El-Rei Sim, sim, mas e preciso castigar. Como ides de saude?

Eu - - Gragas a bella estagao que presentemente atra- vessa a capital de Vossa Magestade, ate os enfermos pas- sariam bem.

El-Rei No emtanto o clima da Europa vale mais que o da America, hem! hem!

Eu - - Sem duvida, Senhor, e mais proprio para Euro- peus, mas no meio de uma natureza como a do Brazil, com melhoramentos a capital de Vossa Magestade, que descanga sobre um terreno humido, tornar-se-hia saudavel. Senhor, eu penso que seria necessario resolver-se Vossa Magestade a tomar medidas para povoar seus vastos Estados com colonos europeus, em lugar d estes negros que sao o bstaculos mais do que meio de civilizagao. Ousei dar expressao em termos ge- raes a semelhante voto no meu discurso.

El-Rei (sorrindo) - - Ainda hoje entrou um navio tra- zendo 400 escravos. (Depois de uma pausa) Sabeis que duas embarcagoes inglezas se dirigiam para Pernambuco com armas e polvora ? Que pensais d isso? uma dellas foi levada para a Bahia, hem! hem!

Eu - - N um paiz livre e constitucional como a Ingla- terra, e impossivel impedir as especulagoes dos particulares de qualquer genero que sejam.

�� �