Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/309

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 873

Esta foi, alias, a impressao geral no Rio, estampada n uma das cartas de Marrocos: (i) "A Serenissima Senhora D. Carolina Icm agradado em extremo a todos; mui discreta, desembaragada e communicavel ; falla, alem de sua lingua patria, o Francez, Jnglez e Italiano; alguns conhecimentos de Bellas .Lettras, e nao menos de botanica, alem daquellas prendas que ja sao proprias em huma Senhora, em que dizem ser eminente: mui fertil na conversagao, e mui aguda em res- postas: mestra na arte de agradar e fazer-se estimavel; e para ser mais notavel, ate tern medo de trovoadas. Na Ilha da Madeira demorou-se trez dias donde trouxe grande quan- tidade de macacos, papagaios, etc. . ."

Outros encargos trazia, comtudo, para Vienna, o em- baixador de Portugal. Trazia a missao de promover outrcs enlaces entre as duas casas reinantes, casando-se o Principe Imperial d Austria com a Infanta Isabel Maria, e o Grao Duque da Toscana, irmao do Imperador e que em proveito d este se privara da sua noiva, uma Princeza da Baviera, com a Princeza Maria Thereza. A corte portugueza pro- curava desforra do mallogro do projecto matrimonial com a Casa de Franca, que tan to a magoara que Luxemburgo at- tribue a ma vontade d ahi proveniente o nenhum exito da sua missao. "On a montre beaucoup de jalousie et meme un peu d humeur en apprenant 1 alliance que vient de former Mgr. le Due de Berry. J ai eu beaucoup de peine a adoucir ces regrets, et j en retrouve souvent les traces dans mes discussions" (2).

Da segunda das unioes confiadas a diplomacia de Ma- rialva parece quasi se nao haver tratado. A primeira, porem,

��(1) Carta ao Pai de 12 de Novembro de 1817.

(2) Officio de 30 de Julho de 1810.

�� �