Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/321

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 885

A embaixada austriaca foi recebida no Rio, ao que reza a chronica de Maler, com distincgoes especiaes que nao tive- ram outras missoes da mesma cathegoria - - a de Luxem- burgo e muito menos ainda a de Balk-Polef f - - sendo o em- baixador cumprimentado a bordo pelo official maior da Secretaria de Estrangeiros, e transportado para a sua au- diencia, a qual teve lugar immediatamente no Paco da ci- dade, n um coche da Real Casa, com o introductor ao lado e acompanhando o cortejo os coches de todos os grandes da corte. No baile dado em honra de Eltz pelo invalido e quasi agonisante Bezerra, na sua fazenda de Maracana, forcas de infanteria estavam postadas desde a grade do parque ate a porta de entrada, e piquetes de cavallaria for- miados pelo caminho.

Foi urn periodo de festas consecutivas, que correspon- deram aos "immensos preparatives" de que fallava Marrocos nas suas cartas para Lisboa, e em que cada um tinha seu papel. Na serenata de Sao Christovao, a 7 de Novembro, em celebracao dos esponsaes, e para a qual refere Marrocos que se fizeram os ensaios nas salas da Real Bibliotheca, o Principe Dom Pedro, a Princeza Maria Thereza e a In fanta Isabel Maria cantaram successivamente uma arieta, e os musicos da Real Camara com os da Real Capella exe- cutaram uma peqa dramatica composta para a occasiao e que se prolongou ate duas horas da manha. No mesmo mez offerecia a Rainha Dona Carlota a sua nora um "esplen- didissimo e mui delicado jantar", entrando os noivos a ap- parecer em passeio, "e com estado separado" (l).

Pouco depois (2) communicava ao pai esse assiduo correspondente filial que "a Serenissima Senhora D. Caro-

��il) Carta do Marrocos do IT) do Novembi o de 1817. (lii Carta de 31 de Janeiro do 1818.

�� �