Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/371

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 935

gotando os das capitanias, O vulcao rebenta e estoura,

e talvez sem remedio ; a convencao ou partido da assemblea engrossa

Esta denuncia ( I ) especif icava mantas compradas a um compadre inglez por i.ooo reis para o arsenal do exer- cito, cortadas ao meio e pagas pelo governo a 2.000 reis, ganhando a s>ociedade cinco contos para mais; vinte e dois praticantes do erario nomeados a negocio para poderem es- capar ao recrutamento forgado; os criados do servigo par ticular do traidor retribuidos sob o titul o de continuos do erario, sem ahi terem jamais apparecido para exercicio; sua casa de moradia construida a sombra da edificagao do mesmo erario.

Uma outra denuncia, dirigida a Dona Carlota Joa- quina, de quern se reclamava o "valor heroico" da sua com- patriota Dona Luiza de Guzman, visava nao so Targini como todos os conselheiros do monarcha. O delator ano- nymo, querendo no fundo impedir a remessa de soccorros legalistas para a Bahia e Pernam buco e acabar com o exercito pois aconselhava a prisao de todos os officiaes por desleaes (2), pretendia desvendar a ameaga de uma revolta de ne- gros no caso de lavrar discordia mais seria entre os brancos, e simulava revelar um assombroso piano de "por em desor- dem este contingente afim de introduzirem para o governo destes Estados os irmaos de Bonaparte, que se achao nas Americas Inglezas, e ao depois tudo ser entregue a Bonaparte, arrancado pela forga de Santa Helena."

��(1) Fublicada por Mello Moraes na ol). cit.

(2) Ordenaria ousadamente esta prisfio o Principe Real, "que no future vira a ser acclamado Imperador", reza a denuncia.

�� �