Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/409

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 973

janellas, nas ruas percorridas pelo cortejo, pendiam as col- chas de damasco da India e de seda da China e os pannos de velludo debruados de ouro sobre que se debrucavam prin- cezas e damas da corte com turbantes de gaze, diademas de brilhantes e grandes plumas no toucado, e senhoras abasta- das enfarpeladas de seda, decotadas a luz do dia e pesadas de joias. As ruas juncavam-se de palmas e folhagens e, depois do sol posto, aclaravam-se com as velas de sebo colgadas pelas armagoes de latao nas fachadas das casas, com espelhos por traz para Ihes reflectir a fraca chamma. For essas ruas, decoradas e clareadas, se escoava n um rumor prazenteiro a assistencia congregada de longe para a funcgao.

Para as mulheres essas festas, entao, tinham o melhor dos attractivos. Para as fluminenses tafulas da epocha as procissoes equivaliam ao que para as parisienses de hoje sao as corridas de Longchamips : o lugar e o momento de estrearem novos vestidos e arvorarem novas galas. Para as que nao eram secias, sempre havia o encanto de um luxosinho a mais, quando na de um namorico. O espectaculo mesmo em si era tao apurado e decorativo que, com todos seus preconceitos britannicos e protestantes, nao poude Hender son deixar de observar que o effeito attingido devia quali- ficar-se de imponente (the general effect of the whole was very imposing).

Uma procissao diaria nas ruas do Rio de Janeiro ou de qualquer outra das nossas cidades coloniaes, era a do Via- tico, o conhecido Nosso Pai, levado aos moribundos e doentes debaixo do pallio ou da umbella, segundo o acompanha- mento ia mais ou menos luxuoso. Ladeavam o sacerdote os irmaos do Santissimo, de opa vermelha, um tangendo a cam- painha sem parar, outros algando a cruz e os casticaes. A

p. j. 61

�� �