Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/482

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL

cm substancia n esse despacho, indica que nao passara ate entao o mau humor russo, cultivado por Tatischeff e pelo governo de Fernando VII.

Antonio de Saldanha levaria para Laybach o seu piano particular, de mais vastas proporcoes, e em que entrava Ma- rialva. Consistia em mover o directorio europeu a agir em nome dos seus principles no beneficio da monarchia portu- gueza, oppond O-se pela forc.a as ideas revolucionarias propa- gadas no velho Reino e iniciando por Portugal a tarefa sa- lutar da repressao e restabelecimento da ordem na Penin sula, "pois que daquelle reino he que se devia trabalhar para o socego e quietagao da Hespanha" (i).

O provecto plenipotenciario portuguez conversara com Capo d Istria e Metternich, que ambos julgavam o mo- mento azado para medidas geraes, tendo Metternich ado- ptado este modo de ver do ministro de estrangeiros da Russia depois da revolugao de Napoles, cujo contagio era para re- ceiar nos dominios italianos do Imperio austriaco. Vienna accedera ja a que coubesse a Franga na Hespanha o papel que a Austria cabia na Italia, de abafar todo movimento sedi- cioso, surprehendend O-se o chanceller de que a essa politica activa preferisse a Inglaterra a inaqrao, sobretudo por ser de temer a reuniao de Portugal a Hespanha.

A coadjuvagao da Gra Bretanha era necessaria, mas esta potencia, cujo assentimento as outras nao podiam dis- pensar, esquivava-se de mostrar hostilidade a movimentos que nao fossem puramente republicanos. Ja no decorrer de 1820, querendo a Russia arrastar as nagoes alliadas a uma intervengao anti-constitucional na Hespanha, tendente a con-

(1) Officio de Antonio de Saldanha a Thomaz Antonio de 26 de Janeiro de 1821. Esta correspondencia de Laybach encontra-se entre os Papeis avulsos no Arch, do Min. das Rel. Ext.

�� �