Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/66

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
58
ESPUMAS FLUCTUANTES


A andorinha, que é a alma — pede o campo,
A poesia quer sombra — é o pyrilampo...
      P′ra voar... p′ra brilhar.

Meu Deus! Quanta belleza nessas trilhas...
Que perfume nas doces maravilhas,
      Onde o vento gemeu!...
Que flores d′ouro pelas veigas bellas!
Foi um anjo co′a mão cheia de estrellas
      Que na terra as perdeu.

Aqui o ether puro se adelgaça...
Não sobe esta blasphemia de fumaça
      Das cidades p′ra o céo.
E a Terra é como o insecto friorento
Dentro da flor azul do firmamento,
      Cujo calix pendeu!...

Qual no fluxo e refluxo, o mar em vagas
Leva a concha dourada... e traz das plagas
      Coraes em turbilhão,
A mente leva a prece a Deus — por perolas,
E traz, volvendo após das praias cerulas,
      — Um brilhante — o perdão!

A alma fica melhor no descampado...
O pensamonto indomito, arrojado
      Galopa no sertão.