Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/67

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
59
ESPUMAS FLUCTUANTES


Qual nos steppes o corsel fogoso
Relincha e parte turbulento, estoso,
      Sólta a crina ao tufão.

Vem! Nós iremos na floresta densa,
Onde na arcada gothica e suspensa
      Reza o vento feral.
Enorme sombra cae da enorme rama...
É o Pagode fantastico de Brahma
      Ou velha cathedral.

Irei comtigo pelos ermos — lento,
Scismando, ao pôr do sol, n′um pensamento
      Do nosso velho Hugo.
— Mestre do mundo! Sol da eternidade!...
Para ter por planeta a humanidade,
      Deus n′um cerro o fixou.

Ao longe, na quebrada da collina,
Enlaça a trepadeira purpurina
      O negro mangueiral...
Como no Dante a pallida Francesca,
Mostra o sorriso rubro e a face fresca
      Na estrophe sepulchral.

O povo das formosas Amaryllis
Embala-se nas balsas, como as Willis
      Que o Norte imaginou.