Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/76

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
68
ESPUMAS FLUCTUANTES


Não mais, ó seraphim! suspende as azas!
Que atravez das estrellas arrastado
Meu ser arqueja louco, deslumbrado,
Sobre as constellações e os céos azues.
Archanjo! Archanjo! basta... Já comtigo
Mergulhei das paixões nas vagas cerulas...
Mas nos meus dedos — já não cabem — perolas —
Mas na minh′alma — já não cabe — luz!...

Recife, Maio de 1866.