Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/321

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
313
ESPUMAS FLUCTUANTES

Á MARGEM LA CORRENTE


Companheiro! uma cruz na selva corla
E planta-a no meu to«co monumento!
(Castro Alves.)

Eu ouvio cantar...

O sabiá pousava
Da larangeira em llòr no verde galho,

Á margem da corrente!
E que doce gorgeio!... — a manso e manso
Em múniuro ruido as aguas trepidas
Deslisavam sorrindo; e na carreira
A prateada esteira colleando,

Pelo formoso valle,
No frémito das auras, no sussurro
Das folhas seccas, no cicio brando
Do remecher das flores — parecia

Gemer, gemer com elle! -

E o sabiá cantava! — a endeixa triste,
Da veia cr} stallina ao som tremente,

SL′PP. l′*