Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/48

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
44
FANTINA

caçar pacas com o Sr. Jucá. E retirou-se assobiando com a mollesa de um poltrão.

—A comadre deve estar aborrecida commigo ?

—Não ! mas porque o compadre pergunta ?

—Ora, pois este homem fica aqui de invernada ! E encolhendo os hombros augmentou o volume dos beiços.

—Não, meu compadre, não me aborrece a estada do Sr. Frederico : dá-me até prazer.

Frederico ouvio, mas achou prudente fazer ouvido de mercador.

—Queria ainda dizer-lhe duas palavras minha comadre.

—Pois queira entrar,—disse ella conduzindo-o para dentro.

Na intonação da voz de D. Luzia havia um quer que era de amargo e ironico para o Zé de Deus.

—Vai, vai, picaro desavergonhado! rosnou Frederico.

Neste tempo Frederico começava de resolver na mente as altas idéas de realisar seus sonhos ridentes, casando-se com a viuva rica. Lembrava-se de Fantina, da Amelia e de outras mulatas da fazenda. Dias mansos e rosados enlaçavam-se cantando no horisonte de seus dias futuros como um alegre bando de tuins sobre a upula do jacatiá coberto de flores azues.