Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/95

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
FANTINA

91

— Mamãe já nos teve a nós todos ; está velha, eu sim, preciso;— dizia ella comsigo. E instinctivamente abotoava o corpinho do vestido que velava duas pomasinhas semelhantes ás ametades de uma melancia verde.

Tomou o café e safou-se. D. Luzia percebia a má cara da menina.

— Não está satisfeita ; dizia ella a Frederico.

— Arranjaremos o Antonico para ella.

— Mas elle anda tão impostor quando vem da Côrte, que nem dá fé.

A hora era de intenso calor. O sol cahindo muito a prumo feria as telhas que faiscavam. Nenhum signal de chuva marcava o céu, que tinha agora o aspecto de um lago de metal em ebulição. Frederico começava a saborear pelos longos dias de estio o preludio da vida de um pachá, tendo aos pés a captiva docil como a cera morna. Fantina chegou e poz sobre a mesa os jornaes vindos da cidade. Frederico só costumava ler o Mercantil muito enxovalhado que forrava o balcão de uma taverna lá no Rabicho, mas, para mostrar-se digno da elevada posição a que a fortuna o guindava, correria os olhos naquelles.

Com o Jornal do Commercio todo aberto, elle olhava indiferente para as longas columnas.