Página:Flora pharmaceutica e alimentar portugueza.djvu/76

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


^g floka pharmaceutica brios e húmidos , Entre Douro e Minho , Bei- ra e Extremadura. Floresce no estio. Perenne. Caules recentes : cheiro grave , nauseoso ; sabor amargo hum pouco, depois adocicado; seccos , sabor mais amargo. Folhas recentes: cheiro fétido, sabor herbáceo. 71. S. tuberosum. Batata solanea , ou ordinária. Caule inerme , herbáceo ; folhas pinnuladas, in- tegerrimas •, pedúnculos divididos sem ordem. Vharm. herva , raiz. Alim. raizes. lEste ^vegetal he utilissimo , nao ohstante pertencer a huma família venenosa^ foi conhecido na Europa no fim do sé- culo XVI. : Sholtz a fez conhecer em I5'90 a G. Bauhino por meio d'*huma estampa: Sv:ry philosopho ^ dHollan- da , para onde tinha passado da Itá- lia , para aqui da Hespanha , e para. esta d^ America , fez presente a Clusio em 1588 de duas tubaras, e dofructoi Clusio entre a historia das plantas raras descreve em 1601 ^s tuharas deste vegetal como novas , e accrescen- ta que já então erao anhuma cultura Tulgar nas hortas d^ Alemanha. Berg. Os usos culinares já bastante co- nhecidos , por meio dos quaes se prepa- rão iguarias delicadas ^0 gosto ^ mui- to nutrientes , e de facU digestão ; as 'vantagens na pharmacia ^ já conheci- das ^ e as que ainda em commodo da saúde publica se podem conseguir , não obstante a extensão da cultura desta planta em todas as provindas do Rei-