Página:Flores do Mal (1924).pdf/121

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Que já mal se consegue divisar,
E que as asas do Tempo hão de apagar
Na sua rude, insana, trajectória...

Assassino cruel da Arte e da Vida,
Nunca me has de arrancar da mente ardida
A imagem da que foi a minha glória!