Página:Flores do Mal (1924).pdf/203

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

LXXIII

Uma gravura fantástica


Om vulto singular, um fantasma faceto,
Ostenta na cabeça horrivel de esqueleto
Um diadema de lata, — unico enfeite a orná-lo.
Sem espora ou ping’lim, monta um pobre cavalo,
Um espectro tambem, rocinante esquelético,
Em baba a desfazer-se como um epilético.
Atravessando o espaço, os dois lá vão levados.
O Infinito a sulcar, como dragões alados.