Página:Flores do Mal (1924).pdf/215

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

LXXIX

Spleen

 

Quando o cinzento ceu, como pesada tampa,
Carrega sobre nós, e nossa alma atormenta,
E a sua fria cor sobre a terra se estampa,
O dia transformado em noite pardacenta;

Quando se muda a terra em húmida enxovia
D’onde a Esperança, qual morcego espavorido,
Foge, roçando ao muro a sua asa sombria,
Com a cabeça a dar no tecto apodrecido;