Página:GEHS - A familia em regimen communista - 1919 LCF.pdf/12

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
— 12 —

AMBROSIO — Mas si os homens não quizerem pensar nisso?

JORGE — Então, tanto peor para elles! O senhor não quer comprehender isto: não ha nenhuma providencia, divina ou natural, que se importe com o bem dos homens. O seu bem é preciso que os homens o procurem por si mesmos, fazendo o que descobrem ser util e necessario para conseguir esse fim.

O senhor está sempre a dizer: mas si elles não quizerem? Neste caso nada conseguirão e serão sempre o joguete das forças cégas que, os circundam. Assim succede hoje: os homens não sabem o que fazer para serem livres, ou, si sabem, não querem fazer o que é preciso. E, por isso, continuam sendo escravos. Mas nós esperamos que mais depressa que o senhor imagina, elle saibam e queiram... Então, serão livres.

· · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · ·
ERRICO MALATESTA; No Café, trad. portugueza.


Dois seres podem amar-se sem procriar un filho, que nenhum delles deseja. E assim os filhos, procriados num momento escolhido, premeditado, serão, por assim dizer, acariciados, cuidados, antes de virem ao mundo, onde os esperam e desejam e onde lhes está preparado um meio affectuoso e terno. O filho não será um castigo, será uma benção. As mães descançarão; os tysicos; os escrophulosos, os degenerados não se multiplicarão. Em summa: o filho será como a flôr bem tratada dum jardim, não como a herva que cresce á toa, sob os nossos pés. N. do T.