Página:Herculano, Alexandre, História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal, Tomo II.pdf/65

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


contente com achar-se elevado á dignidade de embaixador e de arcebispo primaz do Oriente, punha a mira na purpura cardinalícia, contando com o favor de Clemente vii[1]. Para isto carecia de não alienar o animo do pontifice, firme no seu proposito de favorecer os christãos-novos; precisava, além disso, de conciliar a benevolencia dos indivíduos mais influentes na curia, que, como temos visto, os protegiam energicamente. Depois, se era verdade, como dizia D. Henrique de Meneses, que em Roma o que se queria era dinheiro, um homem a quem os escrupulos não incommodavam devia, para chegar aos seus fins, aproveitar todos os meios de o obter. Sabemos pela boca dos conselheiros de D João iii que em Portugal se acreditava geralmente que a benevolencia da curia para com os christãos-novos não era gratuita, e o proprio papa não estava exempto de taes suspeitas. Nessa hypothese, comprar um simples

  1. Esta narrativa é deduzida de duas cartas de D. Henrique de Meneses, de outubro e novembro de 35, e de outras de Santiquatro, de 10 e 16 de novembro desse anno e de 28 de maio de 153G, que se acham na G. 20, M. 7, N. os 1, 23, 24 e 26, no Arch. Nac.