Página:Herculano, Alexandre, História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal, Tomo II.pdf/72

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


execução[1]. Estas obvias considerações, capazes de conter os espíritos timoratos ou sinceramente crentes, não fizeram, todavia, a minima impressão em Portugal, e esse diploma, cujas provisões pareciam irresistiveis, foi, nos resultados, nullo ou insignificante. Tanto é certo que o fanatismo nos seus furores não sabe recuar diante de negação das doutrinas que propugna, e que a hypocrisia faz joguete ate da propria mascara, quando lhe não resta outro meio de ludibriar o céu e a terra.

Emquanto os hebreus portugueses buscavam abrigo contra as perseguições no seio de Clemente vii, e parecia aos olhos do mundo que emfim lhes raiara o dia da redempção, elles gemiam, sem descanço nem treguas, no meio dos martyrios que os seus amigos lhes

  1. «ac easdem praesentes litteras de subreptionis vel obreptionis vitio seu intentionis nostree deffectu notari vel impugnari non posse, nec sub quibusvis revocationibus, modifleationibus, limitationibus et suspensionibus quarumeum que similium litterarum, eliam per nos et sedem eandem factis et faciendis, nullatenús comprehensas, sed ab illis semper exceptas esse, et quotiés revocatæ vel limitatæ fuerint, totiès in eum, in quo ad prsesens existunt, statum restitutas et reintegratas existere» : Bulla Sempiterno Regi, 7 de abril de 1533, l. cit.