Página:Horto (1910).djvu/199

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

189
GENTIL


E se elle entreabre, a rir, a bocca ingenua e pura,
Casta como da rosa o seio immaculado:
«Abrem-se, par em par, – meu coração murmura –
As portas de coral de um palacio encantado!»

Ah! como fico alegre e como canto ao vel-o!
Foge-me até do seio a sombra do Desgosto.
Inclino-me de leve e beijo-lhe o cabello
Emquanto o Sol se ajoelha e vem beijar-lhe o rosto...

O’ lirio perfumado! O’ manso cordeirinho
Que guardas a Chimera em teu sorriso em flor...
Vive feliz, ó santo, e que jamais o espinho
Da magua te atormente, ó pequenino amor!

Que o meu Verso te leve, açucena bemdita,
Nas azas de cristal, as brancas esperanças...
E o affecto sagrado e a ternura infinita
Que minh’alma consagra a todas as creanças!

Macahyba — Março de 1899.