Página:Laura de Anfriso.djvu/21

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao ſenhor Dom Duarte.
5

Inuejas infernais, odios crueis
A fernando fizeraõ violencia;
Sendo exemplo Real de homens fieis.

Mas naõ pode mancharſe a Excellencia,
Que entra no Ceo cõ o roxo do Martyrio
Sobre as brancas eſtollas da inocencia.

Piſay Alma ſublima o claro empyrio,
Em quanto reuerdece eternamente
De voſſa alta inocencia o branco lirio.

E vos ò generoſo decendente
Que a juſtiça heis de amar taõ ſé receo
Vede de ambos o animo excellente

Hum do algôs natural,outro do alheo
O cutello prouou eom ſanto brio;
Sendo em fins deſiguais,igoal o meo.

Vede o Pay,vede o Auo,& vede o tio,
E pello reino,& gloria de IESVS
Entrai Principe excelſo em deſafio

O eſtandarte real da Santa Cruz
Por voſſa altiua mão ſeja aruorado,
Pera a treua Africana dardes lus.

O quaõ ditoſo,& bem auenturado!
Serey ſe acompanhar eſſa Excellencia
Pera ſer por meu Deos ſacrificado

O nobre Catiueiro! o nobre auſencia!
O priſaõ doce,algemas venturoſas!
ô morte de meus olhos competencia!

O morrer