Página:Machado de Assis - Teatro.djvu/320

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Uma viúva espanhola!

D. CARLOTA - Ah! tem muita razão em estar doente!

CAVALCANTE - Mas que viúva espanhola é essa de que me fala?

D. CARLOTA (caindo em si) - Eu falei-lhe de uma viúva espanhola?

CAVALCANTE - Falou.

D. CARLOTA - Foi engano... Adeus, Sr. doutor.

CAVALCANTE - Espere um instante. Creio que me compreendeu. Falou com tal paixão que os médicos não têm. Oh! como eu execro os médicos! principalmente os que me mandam para a China.

D. CARLOTA - O senhor vai para a China?

CAVALCANTE - Vou; mas não diga nada! Foi sua mãe que me deu essa receita.

D. CARLOTA - A China é muito longe!