Página:Memorias de um pobre diabo.pdf/89

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
79



CAPITULO XIV.


Uma tarde, no largo de S. Francisco de Paula, no espaço onde plantaram o actual lampeão, que lá existe com ar de vedeta desarmada, encontrando-me com o meu velho amigo Simphoriano, o unico que possuo com este nome, me disse elle:

—Que tens tu? estás pallido como uma abobora?

Simphoriano é filho de uma provincia do Norte, cujos naturaes chamam pallidas ás aboboras maduras.

—Falta de sangue, meu caro; o sangue se me aguou todo, depois da ictericia, respondi.

Elle sabia que essa doença me acommettera havia dous annos.

—E a magreza? replicou.

—Que queres? transpira-se muito neste Rio de Janeiro... o sol derrete...

—Fosse essa a causa...

—Não sei de outra.

—Disse-me o Patricio (Patricio era um trocatintas do meu conhecimento), que tu sacrificas em demazia ás graças...