Página:Meteorito de Bendegó - relatório apresentado ao ministerio da agricultura, commercio e obras publicas (...) sobre a remoção do meteorito de Bendengó do sertão da provincia da Bahia para o Museu Nacional.pdf/52

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
58
____


30 000 metros desenvolve calor sufficiente para quecer de 0º a 100º um peso superior de 1000 kilog. d'agua.

A maior parte deste calor communica-se no ar, pois que, ainda que alguns dos meteoritos sejam compostos de materiaes bons conductores do calorico, é completamente impossivel que elle se communique, em tão pouco tempo (alguns segundos apenas), da peripheria ao interior.

E', com effeito, o que se nota. Os aerolithos e meteoritos, na occasião dessa quéda, apresentam um certo gráo de calor, ás vezes elevado, porém este calor é superficial, e desaparece em pouco tempo, por causa da temperatura mui baixa do interior.

A consideravel pressão de centenas e ás vezes milhares de atmospheras á qual se acham submettidos os meteoritos, e a grande elevação de temperatura de, ás vezes, 5.000 gráos, explica por que, em geral, os aerolithos e meteoritos são de pequenas dimensões.

Si sua dimensão, ao penetrar na nossa atmosphera, já fór pequena, o aerolitho será completamente volatilisado, e teremos então uma simples estrella cadente. Si as dimensões forem maiores, o corpusculo cosmico poderá, pelos phenomenos de luz apresentados, pertencer á categoria dos bolides, e si se produzir ruptura em fragmentos, que em seguida cahirem na terra, estes merecerão o nome de aerolithos ou meteoritos.



Frequencia e periodicidade das quédas


Como ja vimos, os aerolithos que se movem em sentido contrario ao movimento de translação da terra, devem encontrar esta com uma velocidade muito maior do que no caso contrario. Nos dous casos, as velocidades respectivas são de 72 ou de 12 kilometros por segundo.

Por outro lado, um maior numero de corpusculos deve encontrar o hemispherio da terra virado do lado para o qual é dirigido a cada instante o seu movimento de translação ; ora, em relação ao horizonte, muda esta direcção a cada instante. Assim, por exemplo, ao pór do sol, a direcção do movimento de translação da terra é vertical, porém o sentido é do zenith para o nadir, e portanto, neste momento, a terra afasta-se da região do espaço cujo centro é o zenith. Ao nascer do sol é exactamente o contrário ; o movimento da terra é ainda vertical, porém dirigido para o zenith. (Quando dizemos que o movimento é vertical, desprezamos a inclinação da ecliptica. Na realidade, o movimento da