Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/102

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

100 NEGRINHA

sença o moço, com disfarce de pretexto:— para umas certidõezinhas, explicou.

Apesar disso o moço veio um tanto resabiado, com a pulga atrás da orelha.

Não lhe erravam os presentimentos. O coronel, mal o pilhou portas a dentro, tranca o escriptorio, fecha a carranca e diz:

— A familia Triburtino Mendonça é a mais honrada desta terra, e eu, seu chefe natural, não permittirei nunca — nunca, ouviu ? que contra ella se commetta o menor deslise.

Parou. Abriu uma gaveta. Tirou de dentro o bilhetinho côr de rosa, desdobrou-o:

— E' sua esta peça de flagrante delicto ?

O escrevente, a tremer, balbuciou uma confirmação medrosa.

— Muito bem ! — continuou o coronel em tom mais sereno. Ama, então a minha filha e teve a audacia de o declarar... Pois agora...

O escrevente instinctivamente ergueu o braço para defender a cabeça e relanceou os olhos á janella, sondando uma retirada estrategica.