Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/112

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

110 NEGRINHA

naes. Para isso mister foi, antes de nada, vencer o seu velho engulho pelos "gallicigraphos de papel e graxa". Transigiu e, breve, desses "pulmões da publica opinião", apostrophou o paiz com o verbo tonante de Ezequiel. Encheu columnas e columnas de objurgatorias ultra violentas, escriptas no mais estreme vernaculo.

Mas não foi entendido. Raro leitor mettia os dentes naquelles interminaveis periodos, engrenados á moda de Lucena; e, ao cabo da asperrima campanha, viu que prégara em pleno deserto. Leram-n'o, apenas, a meia duzia de Aldrovandos que vegetam sempre em toda a parte, como notas resinguentas da symphonia universal.

A massa dos leitores, entretanto, essa permaneceu illesa dos flammivomos pelouros de sua colubrina sem raia. E, por fim, os "periodicos" fecharam-lhe a porta no nariz, allegando falta de espaço e mais coisas.

— Espaço não ha para as sãs idéas, objurgou o enxotado, mas sobeja, e pressuroso, para