Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/116

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

114 NEGRINHA

alarve que és. Se erram paredros, nesta época de ouro da corrupção !...

O ferreiro poz de lado o malho e entreabriu a bocca.

— Mas da boa sombra do teu focinho espero que ouvidos me darás. Naquella taboa um dislate existe que sériamente á lingua lusa offende. Venho pedir-te em nome do asseio grammatical, que o expunjas.

— ? ? ?

— Que reformes a taboleta, digo.

— Reformar a taboleta ? Uma taboleta nova, com licença paga ? Estará acaso rachada ?

— Physicamente, não. A racha é na syntaxe. Fogem alli os dizeres á sã grammaticalidade.

— Macacos me lambam se estou entendendo o que v. s. diz...

— Digo que está a fórma verbal com eiva grave. O "ferra-se" tem que cair no plural, por que a fórma é passiva e o sujeito é "cavallos".

O ferreiro abriu o resto da bocca.