Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/90

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

88 NEGRINHA

tava negociada a fazenda, devendo a escriptura passar-se dentro de poucos dias.

Timotheo recebeu a nova como quem recebe uma sentença de morte. Naquella edade, tal mudança equivalia-lhe a um fim de tudo. Correu a agarrar-se á moça, mas desta vez nada puderam contra as armas do dinheiro os seus pobres argumentos de poeta.


Vendeu-se a fazenda. E certa manhã viu Timotheo arrumarem-se no troly os antigos patrões, as mucamas, tudo o que constituia a alma do velho ṕatrimonio.

— Adeus, adeus, Timotheo ! disseram alegremente os senhores-moços, accommodando-se no vehiculo.

E lá se partiu o troly, a galope... Dobrou a curva da estrada... Sumiu-se para sempre...

Timotheo, pela primeira vez na vida, esqueceu de regar o jardim. Ficou plantado num canto do pateo, a esmoer, o dia inteiro, um pensamento doloroso: