Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/92

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

90 NEGRINHA


Timotheo ouvia aquillo com a morte nalma. Não havia duvida, era o fim de tudo, como presentira: aquelles bugres da cidade arrazariam a casa, o jardim e tudo quanto lembrasse o tempo antigo. Queriam só o moderno...


E o jardim foi condemnado. Mandariam vir o Ambrogi, para traçar um plano novo, de accordo com a arte modernissima dos jardins inglezes. Reformariam as flôres todas, plantando as ultimas creações da floricultura allemã. Ficou decidido assim.

— E para não perder tempo, emquanto o Ambrogi não chega, ponho aquelle macaco a me arrazar isto — disse o marido, apontando para Timotheo.

— O' tição, vem cá !

Timotheo approximou-se, com ar apatetado.

— Olha, ficas encarregado de limpar este matto e deixar a terra núasinha. Quero fazer aqui um lindo jardim. Arraza-me isto, bem arrazadinho, entendes ?