Página:O Bandido do Rio das Mortes.pdf/31

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


-12-

     - Daqui até lá não tem nem um quarto de legua - podemos ir conversando pelo caminho.
     - Pois vamos.
     O indio pegou em sua ferramenta, o alvião, o

almocafre e o carumbé, o filho fez outrotanto e puzeram-se os tres a caminho, Gaspar, o bugre velho e o moço.

     Gaspar que marchava atraz, observando-os com attenção, notou que tanto um como outro traziam ao pescoço, em vez dos enfeites selvaticos, rosa.rios e bentinhos; comprehendeu que eram já cathechizados e christãos e tratou de entabolar conversação com elles.
     - Então, como te chamas, meu velho.
     - Quando estava com os meus companheiros do matto me chamavam Tacapemba, e a este colomim, que é meu filho, Jurucy. Mas sinhô Padre Faria quando nos baptizou, me botou nome de José e a este o de Francisco.
     - Ha muito tempo que estão em poder dos brancos?
     - Ha muito mais de dez annos.
     - Já deviam estar acostumados a servil-os; mas pelo ar de abatimento em que os vejo, parece-me não estarem ta:o satisfeitos como os outros trabalhadores deste povoado.
     - Que quer, meu branco? a edade é muita e eu tenho padecido tanto!...
     - Pois o Padre Faria não os trata bem ?
     - Muito bem, o sinhô Padre é um santo homem e nos trata muito bem, mas uns malvados emboabas, que nos agarraram no matto á traição, a mim, a

minha mulher e a meus colomins, que eram quatro, mataram o mais velho que procurou resistir; a menina, que já era grandinha, foi dada a um perro de paulista velho que, em pouco tempo, a poder de maldade, enviou a pobrezinha para o outro mundo. O segundo, que era um rapazito muito vivo e muito bomzinho, foi enviado para longe, para S. Paulo do Piratininga; e, por mais que me diga o sinhô Padre

01 9 i1ized by

Google